Implantação de Jardins

Implantação de Jardins

Uma das fases mais importantes e delicadas na jardinagem é a da implantação, quando se corrigem todas as condições existentes na área de plantio, preparando-a para receber o jardim. A implantação correta de um jardim deve obedecer aos seguintes passos:

1 — Limpeza da área – remoção de entulho e lixo;
2 — Preparo do solo (drenagem, aração, gradagem, eliminação de plantas daninhas, nivelamento, correção do solo e adubação);
3 — Demarcação e abertura de covas para o plantio das mudas;
4 — Plantio e escoramento de árvores e arbustos;
5 — Formação e plantio dos canteiros com os arranjos ornamentais;
6 — Plantio e nivelamento final dos gramados.

Contudo, antes de se iniciar o preparo do solo, alguns serviços já devem ter sido efetuados:

  • serviços de infra-estrutura;
  • modificação do relevo do terreno: necessidades de cortes e/ou aterros;
  • análise do solo;
  • aquisição das mudas.

Como preparar o terreno para montar jardim

Um dos erros mais graves encontra-se no preparo inadequado do solo. Fazendo-o inadvertida e apressadamente, esquece-se que o solo é o alicerce e o fator determinante no desenvolvimento do jardim.

O primeiro passo no preparo do solo para plantio consiste em efetuar uma limpeza geral de toda a área, recolhendo todo o lixo, entulho, restos de construção e demais materiais encontrados na área.

Esta etapa é de suma importância, pois alguns materiais inorgânicos, além de prejudicarem o pleno desenvolvimento das plantas, podem demorar muito tempo para se decomporem.

Em seguida, parte-se para o revolvimento do solo por meio de enxadão, ou enxada rotativa quando em áreas maiores, até uma profundidade de 30cm. Processa-se à quebra dos torrões ao mesmo tempo que se retiram as raízes e restos de entulhos, tais como cacos de telha, tijolo, etc., efetuando-se concomitantemente um nivelamento do terreno.

A seguir, pode-se deixar a terra descansar por 10 dias em média. Nesse período, irriga-se diariamente, evitando o pisoteio da superfície. Com isso, ocorre a germinação de sementes e/ou plantas remanescentes, o que possibilita o controle das plantas daninhas, por meio de capina manual, mecânica através de arações e/ou gradagens, ou mesmo a aplicação de herbicidas específicos.

Este também é o momento de se fazer o controle prévio dos agentes causadores de insetos, praga e doenças. No solo, podem ser encontrados formigas, nematóides, cupins, lesmas, caracóis e fungos; além de lagartas, pulgões e cochonilhas nas plantas.

Grande parte destes patógenos pode ser eliminada pelo próprio revolvimento do solo e exposição direta aos raios solares, ou por meio da aplicação de corretivos como o calcário, com a drenagem de solos encharcados ou eliminação de plantas atacadas que porventura possam estar na área.

Parte-se, então, para a correção do solo, por meio da aplicação de calcário quando necessário e da incorporação de adubos orgânicos (de origem animal ou vegetal) e minerais (adubos químicos) na camada superficial ou na cova. A recomendação de adubação será feita de acordo com a análise do solo e necessidades nutricionais das plantas.

Contudo, sempre que possível, recomenda-se o uso de uma ou mais fontes de matéria orgânica, além da complementação com a adubação mineral, especialmente a fosfatada no momento do plantio.

Neste caso, pode-se usar fontes naturais de fósforo como o fosfato de Araxá e farinha de ossos, que liberam o nutriente de forma mais lenta para as plantas, e fontes mais solúveis como o superfosfato simples, que supre as necessidades da muda no estádio inicial de crescimento.

Quando se dispõe de fontes mal curtidas ou que não se tem certeza de que a estejam, torna-se conveniente fazer a adubação orgânica com cerca de 20 a 30 dias antes do plantio, incorporando-a bem ao solo.

De modo geral, uma boa adubação orgânica consiste da aplicação de cerca de 10 a 20L.m-2 de adubo orgânico bem curtido; para esterco de aves, aconselha-se reduzir a dose para cerca de 3 a 5L.m-2, por ser mais concentrado em termos de nutrientes.

Plantio das Mudas

Como fazer plantio de mudas

Antes de se iniciar o plantio das mudas, é necessário fazer a demarcação das covas e dos canteiros e bordaduras, especificando exatamente onde cada planta irá ficar na área:

  • Plantio e escoramento de arbóreas e arbustos
  • Formação e plantio nos canteiros, com os arranjos ornamentais planejados;
  • Plantio e nivelamento final do gramado

Coveamento

Como fazer o coveamento

A dimensão da cova a ser aberta dependerá do porte da espécie que será plantada no local. Para facilitar o processo de plantio das mudas, esse normalmente é realizado na seguinte sequência: árvores e palmeiras - arbustos e trepadeiras - canteiros para folhosas, floreiras, bordaduras - gramado.

A região do coleto (de transição entre raízes e caule) não deve ficar abaixo e nem acima do nível do terreno.

Complementos

Após o plantio, são necessários alguns outros serviços para completar o trabalho de implantação do jardim, tais como:

Tutoramento das mudas de árvores e arbustos: o tutor deve ser colocado em posição vertical enterrado cerca de 1,0m dentro da cova e ter sua altura proporcional ao tamanho da muda.

A planta é presa ao tutor por amarrios em forma de oito deitado, de borracha, fitilho, sisal ou outro material qualquer que não fira o tronco.

Colocação de luminárias, aspersores, estátuas, vasos, móveis e demais elementos arquitetônicos.

Limpeza da área antes da entrega do jardim ao proprietário

 

Deixar Um Comentário